quarta-feira, 20 de setembro de 2017

29 de Junho de 1941

Iasi - Arrested Jews being escorted to police headquarters with their hands in the air
        Arrested Iasi Jews being escorted to police headquarters
        with their hands in the air.  From The Iaşi Pogrom, June-
        –July 1941: A Photo Documentary from the Holocaust 
       in Romania, by Radu Ioanid, (Sept. 2017), Indiana Univ.
       Press in assoc. with U.S. Holocaust Memorial Museum.
Were These Holocaust Survivors Forced Into a Ghetto? The Answer Will Determine Their Financial Future
Updated: Jun 28, 2017 11:08 AM ET
"She was only 6 years old when the pogrom began, but Frances Flescher remembers everything.
As a little girl, Flescher was part of the substantial Jewish population of the Romanian  city of Iasi. But, though 30% of the city's population was Jewish by 1930, according to Yad Vashem, anti-Semitism spread during that decade, and the country ended up on the Axis side once World War II began. Then, on June 29, 1941, her father said he was going out to buy cigarettes and never returned.
In fact, by then, it was already the second day of the pogrom during which police, soldiers and civilians killed or arrested thousands of Jewish citizens of Iasi. On the heels of bombing of the city by Soviet forces — after which, according to Radu Ioanid’s history of the pogrom, Jews were accused of Soviet collaboration and systematically hunted down by their neighbors — thousands of people were murdered in the streets. Following that massacre, about 4,000 more Jews from Iasi, by Yad Vashem’s count, were put on “death trains.” Packed tightly and sealed, without enough water or even air for those on board, they ran back and forth between stations until more than 2,500 had died.
Flescher knows that her uncle and cousin ended up on the trains; that her father never came home means, she believes, that he did, too.
With the family's apartment destroyed and the breadwinner gone, Flescher and her brother and mother went to live with a relative, in the area of the city to which the surviving Jews — almost all women and children — were constrained. They wore the required yellow stars on their clothes and obeyed a strict curfew. They stayed for years as the city was bombed to ruins, surviving almost exclusively on mamaliga, a cornmeal porridge.
"I remember every minute of my fear and my suffering," Flescher, who now lives in Queens, N.Y., tells TIME. "I suffered every single day — I'm not even talking about being hungry and thirsty. We were persecuted."
What happened in Iasi has been described as “the best-known event in the history of the Romanian Holocaust," but what exactly Flescher went through is still being debated. Specifically, was her experience in Iasi after the pogrom — in which her and her family's movements were curtailed by regulations and threats, but not by walls — mean that she lived in a ghetto? Though it may seem like mere semantics in light of the specifics of the suffering, the answer could even today have an immediate effect on Flescher's daily life, and that of roughly a thousand other people, too.
That's because, under the complicated structure of compensation and restitution that has been established for Holocaust survivors over the intervening decades, those who were in a concentration camp or ghetto can receive a monthly pension from the German government, whereas many other survivors (those who fled before the Nazi advance, for example) were eligible for a one-time payment. The Jews of Iasi did receive such a payment, back in the 1950s, but their representatives believe that they are in fact owed the pension instead.
This question of the status of Iasi is one of the matters that those representatives hope might be resolved in the first week of July, in the next regularly scheduled round of annual negotiations between the German government and the organization known as the Conference on Jewish Material Claims Against Germany , or the Claims Conference, which represents a range of Jewish interests around the world. A delegation from the Conference, led by a survivor named Roman Kent and Ambassador Stuart Eizenstat, a long-time advisor to the U.S. on Holocaust issues, will meet in Berlin with representatives from Germany's Finance Ministry, under a system that has been in place since the early 1950s, when West Germany, Israel and the Claims Conference agreed that Germany would "make moral and material amends" for the Holocaust, as Chancellor Konrad Adenauer put it. What he meant and to whom it applies has evolved over the years, as understanding of the Holocaust has changed and as survivors have aged, but there's little question that the system reflects the new understanding of personal and national responsibility that arose in the post-Holocaust world.
“I can say that what [Germany] has done is historic. There’s never been in the history of world a defeated power that has paid not reparations like in World War I to governments, but to individual civilians who were harmed," Eizenstat told TIME. “I’m negotiating with people who — and this has been really inspiring — are second and third generation, and yet they continue to feel a moral obligation to help survivors until the last one is gone.”
The reaction to the idea of such reparations when they were first organized, in the 1950s, was mixed, as explored by Menachem Z. Rosensaft and Joana D. Rosensaft in their history of the development of the reparations structure. Some believed that the world's Jews should maintain a policy of "absolute non-fraternization" with Germany, and others shuddered at the suggestion that any dollar amount might be suggested as compensation for the Holocaust. Over the years, however, the two sides have gradually come to see each other as having to "work together to come to resolution," says Greg Schneider, executive vice president of the Claims Conference, who will also be attending the negotiations. (Even today, however, Schneider is careful to make the same point his predecessors made six decades ago: though the relationship between the Conference and Germany has produced many successes, no compensation will ever be satisfactory.)
So far, according to figures provided to TIME by the German Federal Ministry of Finance, Germany has given a total of more than 74.5 billion euros — or about $85 billion at today's exchange rate — to Holocaust survivors, who fall under a variety of statutory umbrellas. Under current agreements, about 55,000 Jewish people due monthly payments receive 336 euros, or about $381, a month. The Iasi question is part of a larger outstanding issue the Conference is focusing on, in trying to expand the number of people who can gain access to such pensions.
Despite the cooperation that now characterizes the annual negotiations between the Claims Conference and Germany, any distribution of funds on such a large scale involves complicated legal, definitional, financial and moral questions. That's part of the reason why, according to Schneider, negotiation sessions can run for up to 12 hours straight at a time, covering everything from frank discussions of feasibility to the recounting of survivors' stories.
“We’re deeply disappointed that this [Iasi] issue hasn’t been resolved and we’re strongly pressing for the resolution, hopefully in the next few weeks, because we think it’s a miscarriage of justice," said Greg Schneider, executive vice president of the Claims Conference, who will also be attending the negotiations. "But it's only possible to do so because of the leadership that Germany has taken on this issue."
Compensating those persecuted by the Nazis is of the highest priority for the German federal government, a spokesperson for the German Federal Ministry of Finance told TIME in statement in German.
As Eizenstat points out, keeping that priority in mind only gets more urgent as the decades pass, as survivors age and the resolution of these material claims against Germany enters what he calls its "last phase." He says there are 500,000 surviving Holocaust victims. They are elderly people by definition and many of them struggle to make ends meet, such that a few hundred dollars a month would make a big difference to them.
That is certainly true for Frances Flescher, who is still reeling from her losses in the the Iasi pogrom. While she says "it could help a lot financially" to receive a pension for what she went through, the satisfaction of recognition ranks first in her thoughts about the matter.
“I don’t understand why they kept quiet all this time. The Romanian people, we went through hell, and they didn’t recognize it," Flesher said. "Do I know why? I only suffer. We were wondering what happened — they forgot about the Romanian people? We were persecuted and wore yellow stars and the hunger that we went through and everything. I don’t know every place, but I know in Iasi what we went through.”Lily Rothman, Time

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Um livro da rentrée

Ces rêves qui piétine: Les derniers jours de Magda Goebbels
Cécile  Pellerin, 15.09.2017
"Le premier roman du journaliste Sébastien Spitzer saisit immédiatement le lecteur qui s’en empare. Et éblouit. La force du sujet, la profondeur des personnages, le réalisme du contexte historique, l’écriture expressive, pénétrante, intensément musicale, quasi-magnétique et la structure narrative, construite  subtilement autour d’une alternance de voix obsédantes offrent à ce roman, une intensité rare et belle. Exceptionnelle.
La lecture est incandescente, à la fois déchirante et douloureuse, relate l’horreur absolue et macabre mais conserve une distance à la fois juste et très digne. Empreinte d’une humanité salutaire.
Passeur d’Histoire, dépositaire du Devoir de Mémoire, le récit va plus loin et interroge sur la notion de survie, l’amour des siens, le sens du sacrifice.
De plus, il mélange habilement fiction et faits réels, entraîne le lecteur dans l’intimité des personnages et crée une proximité troublante, même avec les plus monstrueux. Habile à exprimer les doutes, les peurs, les interrogations et les contradictions, les fragilités humaines, le roman d’Antoine Spitzer, conserve aussi la rigueur de l’enquête historique. Et s’il ne transforme rien des événements passés, sa sensibilité d’écrivain, son talent romanesque prennent (et c’est tant mieux !) le dessus.
L’Allemagne est vaincue. Berlin est désormais une ville assiégée, bombardée. Sous terre, Magda Goebbels, son mari, ses sept enfants, Hitler et quelques autres se cachent en attendant la mort, proche désormais. « Speer distribue de petites capsules de cuivre. Tous ceux qui ont compté avaleront leur cyanure, parce qu’il faut du courage pour lever un canon contre une tempe et presser la détente. »
L’Allemagne est vaincue. Des hommes et des femmes, survivants des camps, déambulent sur les routes pour rejoindre les villes, hagards et affamés. Le chemin vers la liberté est long, encore peuplé d’ennemis, de paysans hostiles. Parmi ces déportés, Judah, Fela et sa petite fille Ava, tour à tour détenteurs d’un rouleau de cuir contenant des lettres de prisonniers des camps d’extermination. Ils sont porteurs de la Vérité.

Parmi ces lettres, il y a celles de Richard Friedländer, Juif déporté, père de Martha Goebbels.
Dans ce bunker sordide, « parcouru par les rats, les spasmes des bombes d’en haut, l’humidité, l’odeur des chiens qui défèquent partout », Magda rêve, livre ses angoisses et se souvient, raconte ses origines modestes,  « une vie au ras de la vie des autres », son enfance chez les Ursulines belges, sa soif d’exister, de devenir quelqu’un jusqu’à renier ses origines, oublier père et mère et devenir l’épouse d’un gauleiter. « La gloire l’a portée quinze années durant. C’est long quinze ans. Elle s’y est habituée. » 

En alternance avec ces souvenirs, des images de camps surgissent et dépeignent des conditions de (sur)vie épouvantables, notamment pour les femmes  de Silésie du block 24-A où naîtra Ava.  Beaucoup de vies exterminées maintenues en mémoire par des lettres dont celles (imaginaires) de Richard, dévoilées à plusieurs reprises au fil du roman.
Un livre tout en mouvement, finement révélateur (très précis) de l’effondrement et de la folie d’une femme et d’un pays vaincu et robuste en même temps à rendre compte sans pathos mais avec justesse des horreurs que la libération des camps révèle.
Accompagnée par une écriture efficace, directe et ardente, vraiment très belle, les histoires entremêlées (de Magda, de son mari, de son père, des déportés, des soldats américains), créent l’Histoire avec brio et fascinent sans préférence. Chacune entête, martèle l’esprit, touche à vif. Chacune est essentielle." Cécile Pellerin, in ActuaLitté, les univers du livre
Sébastien Spitzer – Ces rêves qu'on piétine – Editions de L’Observatoire – 9791032900710 – 2 € / Ebook 9791032900727 – 13,99 €
Les critiques de la rentrée littéraire 2017

Rentrée littéraire 2017, la fashion week des libraires


domingo, 17 de setembro de 2017

Ao Domingo Há Música

Todos os sonhos são um pouco misteriosos, e é nisso que reside a sua beleza; mas alguns são muito misteriosos, ou seja , não se percebe nada; são como os enigmas. Mas enquanto os enigmas  têm solução, os sonhos não têm. Podemos atribuir-lhes uma  centena de significados diferentes, cada um deles tão bom como o outro. 
                                                         Luigi Malerba, Il serpente

Todos os sonhos são sonhos. Mas há sonhos que parecem reais e há outros que nos confundem. Que não entendemos. Que nos decepcionam ou intrigam. E, por vezes, há aqueles que nos deliciam, que nos cativam, que nos estimulam e que nos despertam para a vida.  
A Música propicia o sonho.  Não sei se será o mesmo para todos, ou se todos têm a mesma capacidade de sonhar. Sei, apenas,  que do sonho nasce música e  com a Música se sonha.
O que desejo , neste Setembro de 2017, é que todos possamos sonhar. A música que se apresenta é apenas o leitmotiv. Exploremo-lo.

Voices of Change, Harlem Gospel Choir e  Gigi Radics numa excelente interpretação de Amazing grace , com a HAVASI Symphonic Arena Show, em 21 de Dezembro de 2013.

About Voices of Change
During our lives, we keep developing by the things we go through. We continuously learn from each other, the influences that affect us and of course from our own actions. Some change through religion, others by helping people and yet others by the positive force of music. What matters is positive change itself, not the way you achieve it. In addition, Voices Of Change says while we were born in different continents, we speak the same language deep in our hearts. And that common language is the language of music.

sábado, 16 de setembro de 2017

Carta aberta a meu pai

Querido Pai
Todas as cartas que lhe escrevo são abertas. Deixou de ter morada certa. Apenas ficou em mim, para sempre. E será um sempre muito precário. Também partirei qualquer dia. É esta a nossa maior premonição. Prever a nossa finitude. Sem hora, dia e ano, mas certa. Sem erro. Acontecerá. 
Não sei e nem tenho a certeza se me juntarei a si, pai. Quem dera que assim acontecesse. E que me  estivesse esperando com a mãe. Pensaria , então, que estaria a regressar da Escola ou talvez da Faculdade, quando alguns cabelos brancos adornavam já a sua cabeça. Que de solicitude havia em vós. Transformava-se em carinhosas e preocupadas  perguntas sobre o dia.   Se tinha sido  frutífero,  compensador,  agradável. E eu beijava-vos e contava-vos o que descobrira, o que me assombrara naquele percurso diurno . Era o tempo do meu crescimento.
Crescer, pai. Cresceram já os meus filhos . Hoje  são os meus netos que partem e regressam da Escola. Olho-os diariamente e revejo todos aqueles momentos tão semelhantes, mas irrepetíveis. Feita em saudade, tenho agora a mesma  idade, desse vosso/nosso  tempo distante
“Parece que crescemos mas não crescemos/ foram as coisas grandes que há/ o amor que há, a esperança que há/ que ficaram mais pequenos.” Palavras belas de um poema de Manuel António Pina. O mundo mudou muito desde que partiu , pai. Ontem , em Londres , houve um outro atentado terrorista. Não, não tem qualquer semelhança com o tempo do IRA. Há, sim e apenas,  um rótulo que se diz religioso, também. São atentados em nome de um grupo que se reclama islamita. E o mundo ficou exposto à facínora mão de alguém que aparece sem ser visto, sem marca , sem identificação mas cruel. Mata porque quer matar. Morre-se , sem idade, sem doença, sem previsão, em qualquer parte deste mundo, pelos planos obscuros de um grupo de loucos que invoca um deus que não pode existir. Sim, existir. Como é possível existir um deus que deseja e permite tantas mortes e tanto sofrimento em seu nome?
É este o nosso tempo.  Um tempo de muito (des)amor. Partiu, pai, antes que tudo isto se mostrasse. Diria que desejou tanto a Liberdade  , neste nosso Portugal, que não compreenderia como foi possível  o mundo ficar à mercê de grupos ignotos. Viveu os dias de Democracia. Veio do dealbar da República . Enfrentou a opressão da ditadura. Lutou e viveu a vitória da Liberdade: o reconhecimento de que nos projectamos em cada um . O rosto do outro é a nossa imagem. Era esta a nossa divisa.
Não é mais, pai. Nem sei se ela vingou. Quando e como? Talvez entre nós, enquanto família. E convosco entre nós.
Hoje é dia do seu aniversário. Nasceu há 107 anos. Ultrapassa um século. O mundo mudou muito. Assistiu a muita dessa mudança.  Outras vieram . Nem todas fizeram o mundo pior. Há momentos de grande progresso. De consciência interplanetária. De descoberta científica e de um progressivo sentir ecológico. 
O Homem tem novas ferramentas para ser feliz e tornar o mundo melhor. Basta apenas descobrir o caminho que chegue a todos e a cada um, em completude. 
Quero, entretanto, dizer-lhe que permanece intenso e incólume o amor ,o carinho que sempre lhe tive. A  saudade aumenta e dói porque me faz falta, pai.  Como  seria  bom  poder felicitá-lo, como sempre o fiz. Eram dias maravilhosos. Só na memória os vivo intensamente. Consumo-os com ardoroso afecto. Enchem-me o coração.
Parabéns, pai.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

E Há o Amor

A minha foto
Livres Pensantes vai fazer uma pausa . Regressará em Setembro. Em jeito de despedida , celebra o AMOR. Talvez para lembrar que, neste mundo tão precário, é urgente tornar os afectos mais duradouros.
Amor é um fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?
Luís Vaz de Camões,Poesia Lírica de Camões, Ulisseia

O Amor o que é?

O amor é
um nome de mulher
na boca de um homem.


O amor é
uma flor perfeita
na lapela de um homem só.

O amor é
um continente sem fronteiras
para que tudo aconteça.

O amor é
a alegria do corpo
sem vergonha de amar.

O amor é
dividir somente
o que se pode partilhar.

O amor é
uma cidade azul
no dorso de uma nuvem.

O amor é
um rapaz loucamente
apaixonado por uma rapariga.

O amor é
tão fácil e tão simples
que até se torna difícil.

O amor é
tudo aquilo que um dia
ganhamos coragem para ser.


O amor é
gostarmos de nós
e sabermos porquê.
José Jorge Letria, in O Amor o que é?, Edição Ambar, 2006
O Amor como em casa

Regresso devagar ao teu
sorriso como quem volta a casa. Faço de conta que
não é nada comigo. Distraído percorro
o caminho familiar da saudade,
pequeninas coisas me prendem,
uma tarde num café, um livro. Devagar
te amo e às vezes depressa,
meu amor, e às vezes faço coisas que não devo,
regresso devagar a tua casa,
compro um livro, entro no
amor como em casa.
Manuel António Pina, Poesia Reunida. Lisboa, Assírio &Alvim, 2001

Recusa das almas evidentes

Há noites que são feitas dos meus braços
E um silêncio comum às violetas.
E há sete luas que são sete traços
De sete noites que nunca foram feitas.

Há noites que levamos à cintura
Como um cinto de grandes borboletas.
E um risco a sangue na nossa carne escura
Duma espada à baínha dum cometa.

Há noites que nos deixam para trás
Enrolados no nosso desencanto
E cisnes brancos que só são iguais
À mais longínqua onda do seu canto.

Há noites que nos levam para onde
O fantasma de nós fica mais perto;
E é sempre a nossa voz que nos responde
E só o nosso nome estava certo.

Há noites que são lírios e são feras
E a nossa exactidão de rosa vil
Reconcilia no frio das esferas
Os astros que se olham de perfil.
Natália Correia, in  Poesia Completa, Publicações Dom Quixote, 1999
Assim o amor

Espantado meu olhar com teus cabelos
Espantado meu olhar com teus cavalos
E grandes praias fluidas avenidas
Tardes que oscilam demoradas
E um confuso rumor de obscuras vidas
E o tempo sentado no limiar dos campos
Com seu fuso sua faca e seus novelos
Em vão busquei eterna luz precisa
Sophia Mello Breyner Andresen,Antologia -Círculo de Poesia,
Moraes Editores, 1975

Não Posso Adiar o Amor
Não posso adiar o amor para outro século
não posso ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas

Não posso adiar este abraço
que é uma arma de dois gumes
amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o rneu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração
António Ramos Rosa, in "Viagem Através de uma Nebulosa",Edições Ática, 1960
Um Olhar

Um olhar brando, claro, temeroso,
um gesto doce, quente, fugitivo,
quase ousado; um tremer ilusivo,
um fulgor de seio macio e sedoso;

um pudor ousado, um tentar medroso,
um sentir pensando, grave e modesto,
um dizer que sim, como se em protesto,
 percurso de alma limpo e sinuoso;

um sensual recuo; uma doçura,
um medo que se atreve; um ar sereno,
um sofrer doce e amargo de quem vive;

eis a magia, o veneno, a tortura,
o sentir, o viver, o gozo pleno
que, por ti, sem o ter, eu sempre tive.
                                            Londres, 7.4.1980
Eugénio Lisboa, in “ a matéria intensa”, Ed. Peregrinação
Vício

Vou vivendo na vontade
Que tenho de me atirar
No incêndio dos teus braços

a procurar no final
voltar de novo ao início
entre a poesia e o voar

pois escrever e amar
é arder
no mesmo vício
Maria Teresa Horta, in “ Poesis”, Publicações D. Quixote, 2017


Carta de Amor

Ouve-me!, se é que ainda
Me podes tolerar.
Neste papel rasgado
Das arestas da minh'alma,
Ai!, as absurdas intrigas
Que te quisera contar!
Ai os enredos,
Os medos,
E as lutas em que medito,
Quer dê, quer não dê por isso,
Sem descansar
Um momento...!
Quem sofre - pensa; e o tormento
Não é sofrer, é pensar.
O pensamento
Faz engolir o vómito de fel...
Ouve! se sou cruel
Neste papel queimado
Dos incêndios da minh'alma,
é de raiva de que embalde
Te procure dizer sem falsidade
Coisas que, ditas, já não são verdade...
E procuro eu dizê-las,
Ou procuro escondê-las?
E procuro eu dizer-tas,
Ou procuro a vaidade
De mas dizer, a mim, de modo que mas ouçam
Esses mesmos que desprezo,
E cujo louvor me é caro?
Não me acredites!
O que digo,
Antes ou depois, o peso;
E não!, não é a ti que me eu declaro!
Sei que me não entendes.
Sei que quanto melhor te revelar
O meu mundo profundo,
O fundo do meu mar,
Os limos do meu poço,
O antro que é só meu (sendo, apesar de tudo, nosso)
Menos me entenderás,
Tu..., - a minha metade!
Por isso me não és senão vaidade,
Meu amor!, meu pretexto
Deste miserável texto...
Vês como sou?
Mas sou pior do que isto.
Sabe que, se me acuso,
é só por vício antigo
De me lamber as mãos e agatanhar o peito,
De me exibir a Cristo!
Sabe que a meu respeito
Vou além de quanto digo.
Sabe que os males que ora uso,
Como quem usa
Cabeleira ou dentadura,
São a pintura
Que esconde os mais verdadeiros,
De outro teor...
E sabe que sou pior!:
Sabe (se é que o não sabes)
Que ao teu amor por mim foi que ganhei amor.
Que a ti..., sei lá se te amo.
Sei que me deixam sozinho
Ante o girar dos mundos e dos séculos;
Sei que um deserto é o meu caminho;
Sei que o silêncio
Me há-de sepultar em vida;
Sei que o pavor, a noite, o frio,
Serão jardim da minha ermida;
Sei que tenho dó de mim...
Fica tu sabendo assim,
Querida!,
Porque te chamo.
Mas amar-te?!
Não!, minha vida.
Não! Reduziram-me a isto:
Só a mim amo.
Ama-me tu, se podes,
Sem procurar compreender-me:
Poderias julgar que me encontravas,
E seria eu perder-te e tu perder-me...
Ao menos tu..., desiste!
A sobre-humana prova que te peço,
A mais heróica!,
A mais inglória e a mais triste,
é essa..., - é este o meu preço.
Mais que o despeito, o ódio, a incompreensão
Dos por quem passei sereno,
Estendendo a mão afável
Ao frio, pérfido, amável
Aperto da sua mão,
Me punge,
Me pesa no coração,
O fruste amor dos que me interpretaram.
Ai!, bem quiseram amar-me!
Bem o tentaram.
Mas nunca me perdoaram
O não serem dominados
Nem poderem dominar-me...
E assim o nosso amor foi uma luta
De cobardes abraçados.
Entre eu e tu,
Tão profundo é o contrato
Que não pode haver disputa.
Não é pacto
Dum pobre aperto de mão:
Entre nós, - ou sim ou não.
Despi-me..., vê se me queres!
Despi-me com impudor,
Que é irmão do desespero.
Vê se me queres,
Sabendo que te não quero,
Nem te mereço,
Nem mereço ser amado
Pela pior
Das mulheres...
Poderás amar-me assim,
(Como explicar-me?!)
Por Qualquer Cousa que eu for,
Mas não por mim!, não a mim...!

Beijo-te os pés, meu amor.
José Régio, in “ As Encruzilhadas de Deus” , Portugália Editora



 Se tu viesses ver-me hoje à tardinha
Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus braços...

Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca... o eco dos teus passos...
O teu riso de fonte... os teus abraços...
Os teus beijos... a tua mão na minha...

Se tu viesses quando, linda e louca,
Traça as linhas dulcíssimas dum beijo
E é de seda vermelha e canta e ri

E é como um cravo ao sol a minha boca...
Quando os olhos se me cerram de desejo...
E os meus braços se estendem para ti...
Florbela Espanca, in “ Charneca em Flor”, Editorial Estampa

Na Orla do Mar

Na orla do mar
no rumor do vento,
onde esteve a linha
pura do teu rosto
ou só pensamento
( e mora, secreto
intenso, solar,
todo o meu desejo)
aí vou eu colher
a rosa e a palma. 
Onde a pedra é flor 
onde o corpo é alma.
Eugénio de Andrade, in "Até amanhã", Assírio & Alvim
Para Sempre
“Leve como uma pena, a luz apagada, a incrível  doçura do teu corpo. Frágil  minúsculo na ponta dos dedos da minha mão. Apanhar-te toda , amachucada toda na palma da minha mão. Friso subtil  dos meus nervos, ah, o veludo do teu calor.(…) Tanto como te sonhei e imaginei  no meu querer  de crise e estava agora ali total, tinha medo de te tocar, destruir. Tão melindrosa evanescente. (…)
Assim estive longo  tempo, mas eu precisava tanto de te tocar. Recuperar a tua realidade inacreditável, a tua presença no centro do universo. A mão suave  na fronte, o lume  de um meu dedo na fímbria do teu corpo. A respiração subtil da minha boca  na tua face. O halo fugidio  da minha presença na tua – e tu rodaste sobre ti , um apagado  ciciar da tua boca. Pregado na noite como uma vigília, irradiada de uma luz viva e trémula – dorme.  Que é que eu amo em ti? Não é o teu corpo, não é o teu espírito, mas a transfiguração de um pelo outro, a transcendência da tua carne frágil, a abordagem de quem tu és no mais profundo de ti, na posse compacta de toda tu, no espasmo de um punho cerrado- dorme. Não posso dormir, não quero. Como perder esta hora máxima de ser, de tocar toda a tua realidade  secreta, drasticamente separada, segregada da minha ânsia  em agonia? Porque tu eras para mim o puro irreal e imaginário, o subtil incorpóreo, a pura iluminação sem consistência, a aparência  do não-ser, a terrível beleza intocável, a graça aérea imaterial Como dormir  e perder-te  e acordar depois  - tu não estares  aqui e ser tudo fantástico  de impossível? Estendo a  minha  mão , és tu real na febre da minha mão. Então rolaste de novo sobre ti e eu tive  medo. Medo do meu excesso, na aflição da minha angústia. Tremente perdido 
  - Sim?
   ousei  a tua face a súplica de que fosses de novo verdadeiramente real. E a tua mão de infância procurou a minha e num interstício de suspeita respondeu. Meu Deus.”
Vergílio Ferreira , in “ para sempre”, Livraria Bertrand
“ Simão Botelho amava. Aí está uma palavra única, explicando o que parecia absurda reforma aos dezassete anos.
Amava Simão uma sua vizinha , menina de quinze anos, rica herdeira , regularmente  bonita e bem nascida. Da janela do seu quarto é que ele a vira a primeira vez, para amá-la sempre. Não ficara ela incólume  da ferida que fizera  no coração do vizinho: amou-o também, e com mais seriedade que a usual nos seus anos.
Os poetas cansam-nos a paciência a falarem do amor da mulher aos quinze anos, como paixão perigosa, única e inflexível. Alguns prosadores de romances dizem o  
Teresa de Albuquerque devia ser , porventura, uma excepção no seu amor.
O magistrado e sua família eram odiosos a Botelho o pai de Teresa , por motivos de litígios , em que Domingos lhes deu sentenças contra.(…)
E este amor era singularmente discreto e cauteloso. Viram-se  e falaram-se três meses, sem darem rebate à vizinhança, e nem sequer suspeitas às duas famílias. O destino que ambos se prometiam era o mais honesto: ele ia formar-se para poder sustentá-la, se não tivessem outros recursos; ela esperava  que seu velho pai falecesse para, senhora sua, lhe dar, com o coração, o seu grande património. Espanta  discrição tamanha na índole de Simão Botelho, e na presumível ignorância de Teresa em coisas materiais da vida, como são um património!
Na véspera da sua ida para Coimbra , estava Simão Botelho despedindo-se da suspirosa menina, quando subitamente ela foi arrancada da janela. O alucinado moço ouviu gemidos  daquela voz  que, um momento antes, soluçava comovida por lágrimas de saudade. Ferveu-lhe o sangue na cabeça; contorceu-se no seu quarto como um tigre contra as grades inflexíveis da jaula. (...) com o amanhecer esfriou-lhe o sangue e renasceu a esperança com os cálculos.(…)
Simão, porém,  entre mil projectos, achara melhor  o de ir para Coimbra,  esperar lá notícias de Teresa, e vir a ocultas a Viseu falar com ela. Ajuizadamente discorrera ele; que a sua demora agravaria a situação de Teresa.
Quando descera o académico ao pátio, depois de abraçar a mãe e irmãs , e beijar a mão do pai, que para esta hora reservara uma admoestação severa, aponto de lhe asseverar que de todo o abandonaria, se ele caísse em novas extravagâncias.  Quando metia o pé no estribo, viu  a seu lado uma velha mendiga, estendendo-lhe  a mão aberta como quem  pede esmola, e, na palma da mão, um pequeno papel.
Sobressaltou-se o moço; e , a poucos passos distante de sua casa, leu estas linhas:
“ Meu pai diz que me vai encerrar num convento por tua causa.. Sofrerei  tudo por amor  de ti. Não me esqueças  tu,  e achar-me-ás no convento, ou no Céu, sempre tua  do coração, e sempre leal. Parte para Coimbra. Lá irão dar as minhas cartas; e na primeira te direi em que nome hás-de responder à tua pobre Teresa.”
Camilo Castelo Branco, in “ Amor de Perdição”, Porto Editora, Lda