sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Notícias trágicas do Mundo

As cheias no Brasil

Desde terça-feira (11), as chuvas na Região Serrana do Rio mataram no total 506 pessoas. Em Teresópolis, morreram 223 pessoas. Em Nova Friburgo, o número subiu para 225, segundo a Defesa Civil do município. Em Sumidouro, a prefeitura confirmou um total de 19 mortos. Já em Petrópolis, a prefeitura divulgou que o total de mortos chega a 39 mortos.
A Polícia Civil informou que 470 corpos já foram identificados pelos peritos do IML (Instituto Médico Legal). Esta já é considerada a maior tragédia climática da história país. O número de vítimas ultrapassou o registrado em 1967, na cidade de Caraguatatuba, no litoral norte de São Paulo. Naquela tragédia, tida até então como a maior do Brasil, 436 pessoas morreram. A tragédia causada pela chuva já deixou 414 famílias desabrigadas em Nova Friburgo. Segundo o coordenador da Defesa Civil do município, coronel Roberto Robadey, os moradores foram levados para seis abrigos da prefeitura. Já a prefeitura de Teresópolis designou dois abrigos: o Ginásio Pedrão, no Centro de Teresópolis, com capacidade para 800 pessoas, e um galpão no Bairro Meudon, onde podem ser alojadas 400 pessoas.
 A infraestrutura da região foi atingida com severidade. Houve falta de luz, telefone e transporte nas três cidades. Bairros inteiros ficaram isolados e só na noite de quarta-feira (12) equipes de resgate começaram a dar conta da catástrofe em algumas das áreas mais atingidas. Em um desses esforços, foi resgatado com vida, sem arranhões, um bebê de seis meses de idade em Friburgo.
Oitocentos homens da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros tentam localizar desaparecidos em Teresópolis. O secretário do Ambiente do estado do Rio de Janeiro, Carlos Minc, classificou a chuva como a "maior catástrofe da história de Teresópolis". “Não foi possível escolher o que ia cair. Casa de rico, casa de pobre. Tudo foi destruído”, disse a empregada doméstica de 27 anos, Fernanda Carvalho.( In G1)
Veja as imagens

Brisbane, um cenário nunca visto
"Doze mortos confirmados e dezenas de desaparecidos, 35 localidades alagadas, milhares de casas submersas até aos telhados e mais de 120 mil sem electricidade. Este é o balanço provisório das inundações em Brisbane, a terceira maior cidade da Austrália, ontem à noite ainda à espera do pior.
O pico das cheias era esperado para a madrugada de hoje (noite de ontem em Portugal), prevendo-se que as águas do rio Brisbane subissem cinco metros acima do seu nível normal - um valor ligeiramente abaixo do que se chegou a temer, mas ainda assim suficiente para afectar directamente entre 20 e 30 mil dos quase dois milhões de habitantes da região metropolitana. "Este é um fenómeno que destruirá partes inteiras da nossa cidade. Brisbane acordará amanhã e será confrontada com um cenário nunca antes visto nas nossas vidas", avisou Anna Bligh, chefe do governo de Queensland (Leste).
O centro de Brisbane estava ontem à tarde ainda a salvo da subida das águas, mas o comércio encerrou e os transportes estiveram parados. Durante horas, multidões de curiosos juntaram-se nas margens do rio, observando a fúria das águas. "Para já as águas arrastam pontões e pequenos barcos, mas nas próximas horas veremos pedaços de casas", lamentava-se o mayor Campbell Newman."

Tunísia coloca exército na rua

Foi também decretado o recolher obrigatório na Tunísia. A decisão surge depois de novos confrontos na capital entre manifestantes e a polícia.

"

1 comentário:

  1. A chuva ainda não deu trégua, o sol não raiou
    As pessoas ainda juntam os cacos do que restou
    É preciso força para retomar a vida, o mundo
    Depois de se perder quase tudo num segundo

    Tragédia natural não é exclusividade, é verdade...
    Por que, então, sofremos mais com as tempestades?
    Deus é brasileiro, não temos terremotos nem furacão
    Mas pecamos no planejamento, vontade e organização

    Portugal passou por suplício como o que se apresenta
    Em falecimentos, só 10% daqui: pouco mais de quarenta
    Na terra que zombamos ter pouca inteligência
    Governos dão de goleada quando há urgência

    A Austrália, do outro lado, foi ainda mais exemplar
    Como mostrou, na TV, um brasileiro que lá foi morar
    Eles monitoram o nível dos rios com grande precisão
    Por carta, avisaram todos com 24 horas de antecipação

    Mas aqui o relevo é outro, uns dirão
    Por si só não justifica, não é explicação
    Populismo, impregnado, responde por esse mal
    Ah, se nossa inteligência fosse a de Portugal...

    (http://noticiaemverso.blogspot.com)
    Twitter: @noticiaemverso

    ResponderEliminar